Figuras do Presépio invadem Monsaraz!

Imagem
Presépio gigante de rua, com figuras em tamanho real, regressa sexta-feira a Monsaraz.

Pelas 11 da manhã, nas Portas da Vila, o Grupo Coral da Freguesia de Monsaraz abre a festa com os seus Cantos de Natal.
As Figuras do Presépio tomam conta de Monsaraz. E até aos Reis, a vila medieval é delas!

Delas (de quantos a habitam e gostam!) e dos muitos milhares que vão passar por lá para ver Natal dentro de muralhas com vistas d'Alqueva


Espraia-se pelas ruas da vila até ao Largo do Castelo. Aí ficará o conjunto principal: A Virgem, São José e o Menino Jesus.
As outras figuras (ao todo são 48) distribuem-se pelas ruas da vila.

Em tamanho natural, estruturas de ferro e rede, cobertas por panos de cor crua, pintadas em tons pastel, rosa velho e lilases.
Caras e mãos feitas em cerâmica.

Por lá vão estar os Reis Magos, o pastor, os guardas do castelo, o oleiro, o almocreve, a lavadeira e a fiadeira. E muito mais!
Tudo impermeabilizado e tratado para aguentar a chuva.
À noite, todas as figura…

Uma canção de Jorge Palma: "Imperdoável é pisar quem está no chão"

Imperdoável é o que não vivi canta Jorge Palma. Mas imperdoável é desistir de lutar diz ele também na sua canção.

Imperdoável foi escrito para a peça A Balada da Margem Sul, de Hélder Costa, levada à cena pela companhia de teatro A Barraca.
Integrou o álbum Com Todo o Respeito editado em 20011. Sobre esse álbum, Jorge Palma chegou a dizer que estava a querer escrevê-lo mas não saía nada de jeito.
A falta de inspiração acabaria por ser o mote para Página em Branco outra das composições deste álbum. Um dos mais celebrados das suas quatro décadas de canções.

Saboreiem o Videoclipe oficial deste tema.

Realização e fotografia de Aurélio Vasques.
Produção foi de Elisabete Pedreira




Imperdoável é o que não vivi
Imperdoável é o que esqueci
Imperdoável é desistir de lutar
Imperdoável é não perdoar

Tive dois reis na mão
E não gostei
Vi catedrais no céu
Não as visitei
Vi carrosséis no mar
Mas não mergulhei
Imperdoável é o que abandonei

Vejo-me cego e confuso nesta cama a latejar
O que seria de mim sem o meu sentido de humor
Praticamente mudo sinto a máquina a bater
É o rugido infernal destas veias a ferver

Imperdoável é dispensar a razão
Imperdoável é pisar quem está no chão
Imperdoável é esquecer quem bem nos quer
Imperdoável é não sobreviver

Vejo-me cego e confuso nesta cama a latejar
O que seria de mim sem o meu sentido de humor
Praticamente mudo sinto a máquina a bater
É o rugido infernal destas veias a ferver

Imperdoável é o que não vivi
Imperdoável é o que esqueci
Imperdoável é desistir de lutar
Imperdoável é não perdoar

Não perdoar
Não perdoar
Não perdoar

Muita gente está a ler também:

Madredeus - "O Pastor"

"Carolina": O dueto magistral de Carminho com Chico Buarque

Do Minho para a sua mesa... Caldo Verde!