Num triângulo de Ilhas, uma lenda de Açores. De rosto humano!

Imagem
Dou comigo a recordar aquele mestre do Terra Alta que - numa travessia das Velas para São Roque, já lá vão mais de 25 anos - me contava do Sr. Quaresma, de braço no ar, em cima do velho cais da Madalena.
Em dias de temporal, contando as ondas... para marcar o momento seguro de entrada do barco.

Clique para se deslumbrar! ►

Naquele triângulo de ilhas, o barco era tudo: Viu nascer as crianças (mais impacientes!) que não aguardaram até ao hospital da ilha em frente... foi viatura de funeral ou ambulância.
Muitas histórias de amor se teceram à distância, vertidas nas cartas confiadas a João Quaresma para que as encaminhasse para os amores ausentes.
Ou os açafates da comida e as encomendas que os pais mandavam para os miúdos da Ilha Montanha que tinham ido estudar para a Horta. Do lado de lá. o Gilberto das Lanchas, com a sua carrocinha, havia de tratar das entregas em mão.

Não havia lancha que arriscasse demandar o porto da Madalena sem ordem de João Quaresma. Todos os dias em cima do cai…

Ana Moura - "Dia de Folga"

O que será que se esconde por detrás de uma canção que se transformou num dos mais estrondosos êxitos de  Ana Moura? Como explicar tamanho sucesso deste fado?

Música e letra são de Jorge Cruz, dos Diabo na Cruz. Ângelo Freire (guitarra portuguesa) e Pedro Soares (viola de fado) acompanharam a fadista.

Um trabalho produzido pelo canadiano Larry Klein, com quem Ana Moura já tinha contado no anterior álbum, Desfado.

Dia de Folga integra o CD editado em finais de Novembro do ano passado e que contou com a participação de vários nomes sonantes da execução musical internacional.
Acabaria por se chamar simplesmente... Moura. Foi objecto de lançamento internacional em Paris no princípio de Fevereiro, 15 dias antes seu concerto no Olympia, a carismática Sala de Espectáculos da capital francesa. Que encheu e esteve ao rubro para receber Ana Moura.

• Vídeo com direcção de Joana Areal e Duarte Domingos. Edição: Sérgio Pedro.



Manhã na minha ruela, sol pela janela
O Sr. jeitoso dá tréguas ao berbequim

O galo descansa, ri-se a criança
Hoje não há birras, a tudo diz que sim

O casal em guerra do segundo andar
Fez as pazes, está lá fora a namorar

Cada dia é um bico d’obra
Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar
Baterias, há razões de sobra
Para celebrarmos hoje com um fado que se empolga
É dia de folga!

Sem pressa de ar invencível, saia, saltos, rímel
Vou descer à rua, pode o trânsito parar

O guarda desfruta, a fiscal não multa
Passo e o turista, faz por não atrapalhar

Dona Laura hoje vai ler o jornal
Na cozinha está o esposo de avental

Cada dia é um bico d’obra
Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar
Baterias, há razões de sobra
Para celebrarmos hoje com um fado que se empolga
É dia de folga!

Folga de ser-se quem se é
E de fazer tudo porque tem que ser
Folga para ao menos uma vez
A vida ser como nos apetecer

Cada dia é um bico d’obra
Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar
Baterias, há razões de sobra
Para a tristeza ir de folga e o fado celebrar

Cada dia é um bico d’obra
Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar
Baterias, há razões de sobra
Para celebrarmos hoje com um fado que se empolga
É dia de folga

Este é o fado que se empolga
No dia de folga!
No dia de folga!

  • Não Perca:
Como uma nuvem no Céu
A Case of You
http://absolutoportugal.blogspot.pt/2015/12/ana-moura-como-uma-nuvem-no-ceu.html
https://absolutoportugal.blogspot.pt/2016/11/ana-moura-case-of-you.html

Muita gente está a ler também:

Que alma terá inventado essa coisa da "carne de porco à alentejana"?

Do Minho para a sua mesa... Caldo Verde!