Fenómeno de crescimento e participação! Agora não podemos parar!

Imagem
Mais de dois Milhões de membros! Um Universo que não pára de crescer e de se diversificar!
Chegados aqui... Temos de ir em frente!
E encontrar formas de corresponder ao interesse e ao entusiasmo desta multidão de rostos.

Por isso, estamos a lançar uma página nova.
Que assume com orgulho o nome de Descobrir Portugal - que fizemos, construímos e consolidámos ao longo destes dois anos no Facebook.
Até conseguirmos ter connosco mais de um MILHÃO de membros, espalhados por todos os cantos da Língua Portuguesa.

Do ala que se faz tarde! conservamos as memórias e os afectos de um blog que, neste curto período, registou mais de 6,5 milhões de visitas. Mas está na altura de iniciar uma nova caminhada fazendo apelo a novos recursos e potencialidades.

• E aí está owww.descobrirportugal.pt.Que quer continuar a contar com o vosso apoio e a vossa divulgação!


Aquilo que parecia uma brincadeira e um passatempo... tornou-se coisa séria. Precisamos agora de apoios e de suportes que garantam continuação, a…

António Zambujo - "Pica do 7"

A canção fala de uma rapariguinha que se apaixona por um revisor de eléctrico...

Os mais novos não saberão... Mas, nos eléctricos (e nos autocarros), existia um funcionário que - de mala à tiracolo e alicate na mão - cobrava os bilhetes aos passageiros. Com o alicate fazia um furo a marcar a estação da entrada, para poder controlar o percurso a que dava direito aquele (como agora se diz) título de transporte.

E, à força de tantos furinhos, acabaram corriqueiramente designados por pica bilhetes ou, de forma abreviada, os pica.

Nos tempos de hoje, o Pica acabou promovido a Revisor. O que sempre lhe concede um estatuto mais adequado ao apaixonamento da moçoila ansiosa por um eléctrico habitado pelo seu amor secreto.

O Pica do 7 faz parte do sexto álbum, de António Zambujo, Rua da Emenda. Tem letra de Miguel Araújo e contou com a participação especial da Banda de Música dos Empregados da Carris. Como não podia deixar de ser...!



De manhã cedinho
Eu salto do ninho e vou pra paragem
De bandolete à espera do sete
mas não pela viagem

Eu bem que não queria
mas um certo dia vi-o passar
E o meu peito céptico
por um pica de eléctrico voltou a sonhar

A cada repique
que soa do clique daquele alicate
Num modo frenético
o peito céptico toca a rebate

Se o trem descarrila o povo refila e eu fico num sino
pois um mero trajecto no meu caso concreto é já o destino

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira
desta vida vão
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Que triste fadário e que itinerário tão infeliz
Cruzar meu horário com o de um funcionário de um trem da carris

Se eu lhe perguntasse
se tem livre passe pró peito de alguém
Vá-se lá saber talvez eu lhe oblitere o peito também

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vão
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vão
Mas nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Muita gente está a ler também:

Madredeus - "O Pastor"

"Carolina": O dueto magistral de Carminho com Chico Buarque

Madredeus - Ao longe o mar