Figuras do Presépio invadem Monsaraz!

Imagem
Presépio gigante de rua, com figuras em tamanho real, regressa sexta-feira a Monsaraz.

Pelas 11 da manhã, nas Portas da Vila, o Grupo Coral da Freguesia de Monsaraz abre a festa com os seus Cantos de Natal.
As Figuras do Presépio tomam conta de Monsaraz. E até aos Reis, a vila medieval é delas!

Delas (de quantos a habitam e gostam!) e dos muitos milhares que vão passar por lá para ver Natal dentro de muralhas com vistas d'Alqueva


Espraia-se pelas ruas da vila até ao Largo do Castelo. Aí ficará o conjunto principal: A Virgem, São José e o Menino Jesus.
As outras figuras (ao todo são 48) distribuem-se pelas ruas da vila.

Em tamanho natural, estruturas de ferro e rede, cobertas por panos de cor crua, pintadas em tons pastel, rosa velho e lilases.
Caras e mãos feitas em cerâmica.

Por lá vão estar os Reis Magos, o pastor, os guardas do castelo, o oleiro, o almocreve, a lavadeira e a fiadeira. E muito mais!
Tudo impermeabilizado e tratado para aguentar a chuva.
À noite, todas as figura…

António Zambujo - "Pica do 7"

A canção fala de uma rapariguinha que se apaixona por um revisor de eléctrico...

Os mais novos não saberão... Mas, nos eléctricos (e nos autocarros), existia um funcionário que - de mala à tiracolo e alicate na mão - cobrava os bilhetes aos passageiros. Com o alicate fazia um furo a marcar a estação da entrada, para poder controlar o percurso a que dava direito aquele (como agora se diz) título de transporte.

E, à força de tantos furinhos, acabaram corriqueiramente designados por pica bilhetes ou, de forma abreviada, os pica.

Nos tempos de hoje, o Pica acabou promovido a Revisor. O que sempre lhe concede um estatuto mais adequado ao apaixonamento da moçoila ansiosa por um eléctrico habitado pelo seu amor secreto.

O Pica do 7 faz parte do sexto álbum, de António Zambujo, Rua da Emenda. Tem letra de Miguel Araújo e contou com a participação especial da Banda de Música dos Empregados da Carris. Como não podia deixar de ser...!



De manhã cedinho
Eu salto do ninho e vou pra paragem
De bandolete à espera do sete
mas não pela viagem

Eu bem que não queria
mas um certo dia vi-o passar
E o meu peito céptico
por um pica de eléctrico voltou a sonhar

A cada repique
que soa do clique daquele alicate
Num modo frenético
o peito céptico toca a rebate

Se o trem descarrila o povo refila e eu fico num sino
pois um mero trajecto no meu caso concreto é já o destino

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira
desta vida vão
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Que triste fadário e que itinerário tão infeliz
Cruzar meu horário com o de um funcionário de um trem da carris

Se eu lhe perguntasse
se tem livre passe pró peito de alguém
Vá-se lá saber talvez eu lhe oblitere o peito também

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vão
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vão
Mas nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Muita gente está a ler também:

Ana Moura - "Dia de Folga"

Madredeus - "O Pastor"

"Carolina": O dueto magistral de Carminho com Chico Buarque