Figuras do Presépio invadem Monsaraz!

Imagem
Presépio gigante de rua, com figuras em tamanho real, regressa sexta-feira a Monsaraz.

Pelas 11 da manhã, nas Portas da Vila, o Grupo Coral da Freguesia de Monsaraz abre a festa com os seus Cantos de Natal.
As Figuras do Presépio tomam conta de Monsaraz. E até aos Reis, a vila medieval é delas!

Delas (de quantos a habitam e gostam!) e dos muitos milhares que vão passar por lá para ver Natal dentro de muralhas com vistas d'Alqueva


Espraia-se pelas ruas da vila até ao Largo do Castelo. Aí ficará o conjunto principal: A Virgem, São José e o Menino Jesus.
As outras figuras (ao todo são 48) distribuem-se pelas ruas da vila.

Em tamanho natural, estruturas de ferro e rede, cobertas por panos de cor crua, pintadas em tons pastel, rosa velho e lilases.
Caras e mãos feitas em cerâmica.

Por lá vão estar os Reis Magos, o pastor, os guardas do castelo, o oleiro, o almocreve, a lavadeira e a fiadeira. E muito mais!
Tudo impermeabilizado e tratado para aguentar a chuva.
À noite, todas as figura…

Às cavalitas do pai... para a Feira da Luz!

Há imagens que nunca nos abandonam:
Um sorriso de mãe, as cavalitas do pai, as manhãs de domingo no Jardim do Campo Grande, a ida de eléctrico à Baixa para o Circo de Natal no Coliseu, a Feira Popular (ainda em Palhavã? Sou mesmo velho!),  a praia aos magotes de brincadeiras e miudagem em Santo Amaro de Oeiras...


E, claro, a Feira da Luz!


Nos finais dos anos 50, as Festas da Senhora da Luz eram a quase a única romaria que sobrevivia em Lisboa. Com o lúdico a sobrepor-se à procissão e aquelas barraquinhas que tinham de tudo... Dos tachos e panelas aos barros, rifas, facas e navalhas.

Havia quem lesse a sina, não faltavam os espectáculos de Robertos ou o cego que cantava crimes e escândalos da semana... Aproveitando para vender, em grandes folhas volantes, letras e imagens a propósito. Nessa altura ainda não tinha chegado o jornalismo alcoviteiro e alguém tinha de desempenhar esse papel!
Quase como os vendedores de banha de cobra com as suas poções milagrosas para as mais variadas maleitas - verdadeiros percursores de algumas rubricas dos programas televisivos de hoje em dia.

No recinto da feira, abundavam os mostruários de roupa de vestir ou de pôr na cama e sempre andaram por lá os comerciantes de ouro e bugigangas.
As barracas de comes e bebes podiam ser tentação para os mais velhos. Mas a miudagem só tinha olhos, desejos e birras para carrosséis e farturas!

Há cheiros que ficam para sempre gravados na memória. Como os do polvo,  naqueles assadores feitos de bidões serrados alimentados a carvão. Não havia mesmo ida à feira que dispensasse tal pitéu.

Como nas romarias de aldeia, o caminho para a Feira da Luz era feito a pé e em grupo. Tempos em que ainda não se tinha rasgado a 2ª Circular e o Bairro de Telheiras era coisa inimaginável.

A minha infância foi toda ali para as bandas do Campo Grande. Nesses tempos, a quase única forma de chegar ao Largo da Luz era (ladeando quintas, como a de São Vicente) pela velha Estrada de Telheiras... A pé.

Caminho longo para pernas de 4 ou 5 anos, feito entre magotes de gente a caminho da festa, num bruaá de ditos e, de quando em vez, com uma ou outra música à mistura.
O regresso era bem silencioso e penoso. Valiam, na altura, as tais cavalitas de pai...

É  assim: dei comigo enleado em recordações e saudades numa destas tardes de visita à Feira da Luz. Não há como evitar... a memória, muitas vezes, supera a contemplação e a fruição.
E submerge-nos em rostos e gestos que amámos e nos fizeram.

Se calhar... é também por isso que não dispenso o retorno a esta feira de infância. Embora sabendo que fica sempre como pálida amostra de tudo o que subsiste nas minhas lembranças.

Muita gente está a ler também:

Figuras do Presépio invadem Monsaraz!

Madredeus - "O Pastor"

"Carolina": O dueto magistral de Carminho com Chico Buarque