Num triângulo de Ilhas, uma lenda de Açores. De rosto humano!

Imagem
Dou comigo a recordar aquele mestre do Terra Alta que - numa travessia das Velas para São Roque, já lá vão mais de 25 anos - me contava do Sr. Quaresma, de braço no ar, em cima do velho cais da Madalena.
Em dias de temporal, contando as ondas... para marcar o momento seguro de entrada do barco.

Clique para se deslumbrar! ►

Naquele triângulo de ilhas, o barco era tudo: Viu nascer as crianças (mais impacientes!) que não aguardaram até ao hospital da ilha em frente... foi viatura de funeral ou ambulância.
Muitas histórias de amor se teceram à distância, vertidas nas cartas confiadas a João Quaresma para que as encaminhasse para os amores ausentes.
Ou os açafates da comida e as encomendas que os pais mandavam para os miúdos da Ilha Montanha que tinham ido estudar para a Horta. Do lado de lá. o Gilberto das Lanchas, com a sua carrocinha, havia de tratar das entregas em mão.

Não havia lancha que arriscasse demandar o porto da Madalena sem ordem de João Quaresma. Todos os dias em cima do cai…

"Fim de Tarde a Sonhar" de Fernando Alvim, com a voz de Cristina Branco

À recordação de Fernando Alvim juntamos a voz de Cristina Branco. Mas podíamos juntar muitas e muitas outras... de Portugal ou do Brasil, que não dispensaram a viola do Mestre. O mesmo que, durante uns 20 ano, acompanhou a guitarra de Carlos Paredes...

Embora o nome de Fernando Alvim seja uma referência dentro da linha instrumental do fado, o seu interesse e influência estende-se a outras correntes musicais, nomeadamente o jazz e a bossa-nova que complementam a versatilidade musical que tanto caracterizam o viola.- escreve-se na página do Museu do Fado.

Em Fim De Tarde A Sonhar, Cristina Branco dá voz a um texto de Rosário Worisch Alvim e do próprio Fernando Alvim - obviamente, também, o autor da música!
O clarinete é de Ricardo Toscano.



O Sol
A brilhar
A sorrir
E a brincar
Para nós
Fim de tarde a sonhar

Um búzio
A contar
Uma lenda
Do mar
Um naufrágio
E um barquinho a passar

Deitados na areia
Desenhamos os sons
Com tons de Verão
Que em ondas se vão
E assim, nosso sonho voou...

A noite
Ao chegar
Trás com ela
Uma estrela
Melodia
Que convida a dançar...

Dá cor Ao luar
A paixão
Que se sente
Ilusão
De um sonho
Ao poente

Deitados na areia
Desenhamos canções
Com tons de Verão
Que em ondas se vão
E assim, o Universo cantou...

A cor
Do luar
Ao sentir a paixão
Ilusão
De um sonho
A acabar



Muita gente está a ler também:

Ana Moura - "Dia de Folga"

Que alma terá inventado essa coisa da "carne de porco à alentejana"?

Do Minho para a sua mesa... Caldo Verde!