Figuras do Presépio invadem Monsaraz!

Imagem
Presépio gigante de rua, com figuras em tamanho real, regressa sexta-feira a Monsaraz.

Pelas 11 da manhã, nas Portas da Vila, o Grupo Coral da Freguesia de Monsaraz abre a festa com os seus Cantos de Natal.
As Figuras do Presépio tomam conta de Monsaraz. E até aos Reis, a vila medieval é delas!

Delas (de quantos a habitam e gostam!) e dos muitos milhares que vão passar por lá para ver Natal dentro de muralhas com vistas d'Alqueva


Espraia-se pelas ruas da vila até ao Largo do Castelo. Aí ficará o conjunto principal: A Virgem, São José e o Menino Jesus.
As outras figuras (ao todo são 48) distribuem-se pelas ruas da vila.

Em tamanho natural, estruturas de ferro e rede, cobertas por panos de cor crua, pintadas em tons pastel, rosa velho e lilases.
Caras e mãos feitas em cerâmica.

Por lá vão estar os Reis Magos, o pastor, os guardas do castelo, o oleiro, o almocreve, a lavadeira e a fiadeira. E muito mais!
Tudo impermeabilizado e tratado para aguentar a chuva.
À noite, todas as figura…

Saudades das carpas de Juromenha ou das caldeiradas do Pomarão...


Se os rios correm para o mar…
Guadiana atrasa passo em Alqueva, como se esperasse pelo Degebe.


Nas calmarias do Verão, lento e sereno, o fio de água em que se convertia o Guadiana. Quase raso, ali defronte do Castelo de Juromenha… com a margem de Olivença ao alcance de uma passagem a vau.

Mesmo com pouca água, o rio valia a contemplação. Mais que não fosse, para esquecer as águas fétidas que corriam a montante, por baixo das pontes de Badajoz.

Já em Portugal, vinham em seu socorro outras - bem mais cristalinas - com os que os rios do lado de cá lhe aumentavam o caudal e devolviam ares de curso de água vivo. Que, em direcção à Foz, ia refrescando margens e recuperando o movimento de peixes.

E, se é certo que no Pulo do Lobo quase desaparecia no Verão, chegado a Mértola convidava para todos os mergulhos. Mais a baixo, voltava a ser navegável… com aquele lago que une Alcoutim a Sanlúcar e a descida magnífica até Vila Real de Santo António.

Podem dizer à vontade que o peixe de rio tem muitas espinhas, mas sempre que pude não o deixei escapar. E mal o suspeitava no prato, era de devorar…

Cozido, grelhado, de caldeirada: Fosse como fosse! A Juromenha muitas vezes fui no encalço das carpas. E guardo memórias de convívio e sabor de caldeiradas lá para as bandas do Pomarão.

Dos braços de água que alimentam o grande rio do sul, foi sempre o Degebe que mais me atraiu para todas as contemplações e passeios.
Até à Amieira, em terras de Portel. No aconchego das margens, nas sombras das suas árvores, no voo dos seus pássaros.

Depois, o Guadiana fez-se lago. agigantou-se, cobriu montes, transbordou para onde (há uns anos!) ninguém suspeitaria. Perdeu alma de rio, para ganhar a imensidão de horizontes líquidos de grande Mar Interior. E há quem, nunca o tendo conhecido humilde, diligente e esforçado, só tenha olhos para a imensidão de água que Alqueva veio represar. Como se ela tivesse nascido ali e não estivesse lá porque escorre margens abaixo em direcção à foz...

Da construção da barragem derivou uma impressionante mutação de paisagem. Que arrastou mudanças de cores, de sons e de cheiros. O Alentejo agora ribeirinho terá pouco a ver com o que era.

Até em termos climáticos! Porque aquela imensa massa de água - com incidências de evaporação, de conservação e transferências de calor - não deixa por mãos alheias a sua força e o seu poder.

Pelo meio, ficou o sacrifício da Aldeia da Luz, com o que dela resta repousando no fundo das águas. E uma aldeia nova, sem vida nem alma. Um dia destes... até sem gente para usufruir das tais infraestruturas criadas para acolher os habitantes da velha aldeia.

Estiolando aos poucos…
Apesar do que foi construído para celebrar memórias submersas. Quase sem quem queira conhecer e visitar.
Já esquecida do corrupio de gente por ali excursionou nos anos que precederam o seu afogamento!
Se até (quem tinha obrigações nesta área) se esqueceu das promessas todas, solenemente comunicadas aos habitantes, em relação ao novo lugar para onde iriam ser transferidas as suas vidas...

Os castelos, que eram de defesa e vigilância às arremetidas dos de Castela, são agora varandas e torres de observação privilegiadas da paisagem que a água trouxe. Monsaraz sabe-o-bem e as esplanadas sublinham-no. Mourão está a descobrir.
Restará saber das capacidades e da imaginação para aproveitar aquela água toda. Que era para ser agricultura, acordou energia eléctrica e agora toma ares de aposta turística.

Nestes contextos e cenários, vêm ao de cima sinais de falta de diálogo entre gestores e usufrutuários das águas. Não discutindo pressupostos de defesa da saúde de pública, tornam-se notórias diferenças entre o lado português e o lado espanhol do Grande Lago.

Na banda de cá (se calhar bem!) determinou-se que o usufruto das águas para refrescantes banhos teria de ficar adiado por uma janela temporal de segurança. Do lado espanhol investem em praias fluviais e não olham a essas coisas. Estranho, no mínimo! Ou eles já vinham habituados às poluídas águas do Guadiana à saída de Badajoz?

De qualquer modo, e como não haverá capacidade para policiar tantos quilómetros de margem, não se estranhe que (à surrelfa) também do lado de cá vão existindo mergulhos.
Se numa qualquer actividade promocional de navegações no Alqueva até houve uma estrela das telenovelas que não se escusou a um banho para que os fotógrafos fizessem os bonecos…!!!

Convenhamos que, quando o calor do Verão aperta, deve ser difícil estar ali na beirinha de água a resistir aos apelos e vontades… Lá isso deve!
Também… quando se fazem desportos aquáticos como é? Já houve campeonatos de natação, de saltos para a água e outras coisas que tais…
No ano passado, uma empresa da área do aproveitamento turístico das águas de Alqueva escrevia mesmo no seu site: As férias rimam bem com banho e mergulhos! Encontrará ao longo do percurso lugares propícios ao contacto com a água.
Palavras para quê?

Muita gente está a ler também:

Figuras do Presépio invadem Monsaraz!

Madredeus - "O Pastor"

"Carolina": O dueto magistral de Carminho com Chico Buarque