Num triângulo de Ilhas, uma lenda de Açores. De rosto humano!

Imagem
Dou comigo a recordar aquele mestre do Terra Alta que - numa travessia das Velas para São Roque, já lá vão mais de 25 anos - me contava do Sr. Quaresma, de braço no ar, em cima do velho cais da Madalena.
Em dias de temporal, contando as ondas... para marcar o momento seguro de entrada do barco.

Clique para se deslumbrar! ►

Naquele triângulo de ilhas, o barco era tudo: Viu nascer as crianças (mais impacientes!) que não aguardaram até ao hospital da ilha em frente... foi viatura de funeral ou ambulância.
Muitas histórias de amor se teceram à distância, vertidas nas cartas confiadas a João Quaresma para que as encaminhasse para os amores ausentes.
Ou os açafates da comida e as encomendas que os pais mandavam para os miúdos da Ilha Montanha que tinham ido estudar para a Horta. Do lado de lá. o Gilberto das Lanchas, com a sua carrocinha, havia de tratar das entregas em mão.

Não havia lancha que arriscasse demandar o porto da Madalena sem ordem de João Quaresma. Todos os dias em cima do cai…

13 vídeos ► CANTE Património da Humanidade

• Intangible Cultural Heritage of Humanity • Patrimoine Culturel Immatériel de l’Humanité • Patrimonio Cultural Inmaterial de la Humanidad • Património Cultural Imaterial da Humanidade
Foi há um ano.

O Descobrir Portugal e o Café Portugal estiveram na 1ª linha da difusão da Campanha pela Declaração do Cante como Património da Humanidade.
 Todos os nossos recursos foram postos ao serviço desta causa.

Vale a pena recordar e.. saborear!

• Trazemos-lhe os vídeos, as modas, os momentos.
• Para rever! • Para divulgar!

https://www.facebook.com/events/1658731584415724/
https://www.facebook.com/cafportugal/videos/10152341082672541/
Fossem quais fossem os resultados da votação a candidatura já tinha ganho ►

• pelo interesse público que despertou;
• pela mobilização e envolvimento que desencadeou;
• pela gente nova que despertou e motivou;
• pelo justo orgulho que devolveu aos milhares de vozes que sentem e fazem tão original e diferente modo de canto colectivo, de convívio e de festa.
https://www.facebook.com/QuererPortugal/videos/576413329125141/
Depois de tanto trabalho e empenhamento, a celebração havia de começar logo em Paris!
https://www.facebook.com/video.php?v=10152579366858935
É tão grande o Alentejo. o quase hino que fazia parte do Dossier de Candidatura
 • Grupo Coral Os Arraianos

O Cante, como todas as nossas mais genuínas formas de arte popular e de afirmação étnica, já tinha sido dado dado como morto, peça de museu ou baú de inutilidades.
• Para quem papagueava tais aleivosias,
fica este bando de vozes e sorrisos
de Vila Nova de São Bento ►

https://www.facebook.com/cafportugal/videos/10152356306757541/

https://www.facebook.com/absolutoportugal/videos/10152564109423935/
As "Ceifeiras" de Entradas
E os corais femininos? Estilhaçando o mito do Estado Novo e das Casas do Povo que fazia do Cante um atributo masculino.

Como uma vez me respondeu uma lindíssima velhota numa emissão em directo da Antena 1 ali para as bandas do Torrão:
"Ná, na ceifa cantava o manajeiro sozinho..."

https://www.facebook.com/absolutoportugal/videos/10152575697358935/
Santa Clara do Louredo, Beja
Levadas da breca estas moçoilas da aldeia do Corvo, Castro Verde:
https://www.facebook.com/absolutoportugal/videos/10152591387868935/

E quando as vozes do Cante se encontram com a viola campaniça?

Espreitem estes Moços d'uma cana:
https://www.facebook.com/absolutoportugal/videos/10152577061428935/
O Cante sempre se fez ouvir nas vendas.
A Menina Florentina ganha nova roupagens com os Vádemodas na Taberna do Liberato em Moura.
https://www.facebook.com/cafportugal/videos/10152364595642541

Crescido nas tabernas e nos campos, o Cante Alentejano transmitiu-se ao longo de gerações.
Com a diáspora alentejana, novos grupos apareceram na periferia de Lisboa e em diversos países de emigração – o Cante é traço identitário dos alentejanos, estejam onde estiverem!

Onde houver alentejanos... lá estará o Cante

Aqui, surge entoado em Tires, no concelho de Cascais:

https://www.facebook.com/video.php?v=10152383014257541

https://www.facebook.com/cafportugal/videos/10152281475107541
Viagem musical ao Portugal contemporâneo, a um modo de expressão único e à paixão dos seus intérpretes, o filme de Sérgio Tréfaut, Alentejo, Alentejo, acabou por constituir oportunidade de debate e reflexão alargada acerca do futuro do cante.

• Na década de 80, o Grupo Coral de Cantares Regionais de Portel trouxe o Alentejo para a ribalta da música e da indústria discográfica. Percorreram mundo. Afirmaram-se na rádio e na televisão.
• Por muito que custe a alguns puristas(!), abriram caminhos e as suas músicas ficaram no ouvido. Como este Eu Ouvi o Passarinho:
https://www.facebook.com/cafportugal/videos/10152509271782541/

https://www.facebook.com/absolutoportugal/videos/10152621349153935/
E como estamos com o Natal quase aí, uma prenda que tem a ver com a quadra...

Um Cante ao Menino recolhido por Michel Giacometti em Vila Verde de Ficalho.

Imagens que integram a série documental O Povo que Canta, da autoria de Giacometti, realizada por Alfredo Tropa para a RTP, entre 1970 e 1972.

Tinha de terminar com a referência ao corso esta amostragem de sons e imagens do Cante Alentejana. Ele que quis ficar sepultado na aldeia de Peroguarda, junto daqueles que tão bem o conheciam e acarinhavam.

Não esqueço uma emissão do Feira Franca (Antena 1) em Ferreira do Alentejo em que vi rolar lágrimas de rostos maduros e curtidos, pelo sol e pela vida, quando se recordou Michel Giacometti. Para eles... um amigo, um deles!

https://www.facebook.com/events/1658731584415724/

Muita gente está a ler também:

Ana Moura - "Dia de Folga"

Que alma terá inventado essa coisa da "carne de porco à alentejana"?

Do Minho para a sua mesa... Caldo Verde!