Num triângulo de Ilhas, uma lenda de Açores. De rosto humano!

Imagem
Dou comigo a recordar aquele mestre do Terra Alta que - numa travessia das Velas para São Roque, já lá vão mais de 25 anos - me contava do Sr. Quaresma, de braço no ar, em cima do velho cais da Madalena.
Em dias de temporal, contando as ondas... para marcar o momento seguro de entrada do barco.

Clique para se deslumbrar! ►

Naquele triângulo de ilhas, o barco era tudo: Viu nascer as crianças (mais impacientes!) que não aguardaram até ao hospital da ilha em frente... foi viatura de funeral ou ambulância.
Muitas histórias de amor se teceram à distância, vertidas nas cartas confiadas a João Quaresma para que as encaminhasse para os amores ausentes.
Ou os açafates da comida e as encomendas que os pais mandavam para os miúdos da Ilha Montanha que tinham ido estudar para a Horta. Do lado de lá. o Gilberto das Lanchas, com a sua carrocinha, havia de tratar das entregas em mão.

Não havia lancha que arriscasse demandar o porto da Madalena sem ordem de João Quaresma. Todos os dias em cima do cai…

Ainda agora chegou... e quase 40 Mil visitas!

Vocês acreditaram. E deram força! Obrigado
Já ultrapassou as 37 mil visitas - mais de 27 mil nos últimos 30 dias, uma média diária de novecentas.
Para um blogue acabadinho de nascer... convenhamos que não está nada mal...!

Deslumbrante é o facto de, na sua maioria, serem rostos que habitam fora de Portugal. Só do Brasil vieram mais de 7 mil, mas de todo o lado estão a acorrer: Estados Unidos, França e Espanha são os mais representados numa roda de amigos que alastra mundo todo.

Não vamos defraudar as vossas expectativas. O Apalavrado pretende ser montra e sótão das conversas e dos encontros que vamos tendo nas diversas formas de relacionamento que convosco estabelecemos nas Redes Sociais.


Aqui queremos dar uma feição mais consistente às palavras que trocamos no dia a dia. Valerá a pena que algumas fiquem registadas e assumidas, não se perdendo na vigência curta das mensagens do Facebook. Para que seja sempre possível regressar, reler, recuperar emoções e sentimentos que arriscavam, de tão efémera celebração, a escoar-se com reduzido efeito.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153516006288996
Sabemos que podemos contar com o vosso apoio e estímulo. E vocês sabem que nunca atraiçoámos as vossas expectativas, vontades e desejos. Por isso, se Apalavrado refere as palavras que usamos para comunicar sentimentos, deslumbramentos e ternuras, significa também que está apalavrado este informal contrato de passear Portugal (e as coisas portuguesas) e de contar convosco para esta aventura. Em qualquer parte do mundo. Sem subordinação ou dependência que não provenha da nossa vontade e das vontades de todos os que nos frequentam, lêem, comentam e partilham.

Nos próximos dias, com a vossa intervenção directa, queremos duplicar visitas e efeitos deste aprendiz de blogue: Alargar-lhe audiência, horizontes e capacidade de actuação.

Vamos a isto!

Muita gente está a ler também:

Ana Moura - "Dia de Folga"

Que alma terá inventado essa coisa da "carne de porco à alentejana"?

Do Minho para a sua mesa... Caldo Verde!