Num triângulo de Ilhas, uma lenda de Açores. De rosto humano!

Imagem
Dou comigo a recordar aquele mestre do Terra Alta que - numa travessia das Velas para São Roque, já lá vão mais de 25 anos - me contava do Sr. Quaresma, de braço no ar, em cima do velho cais da Madalena.
Em dias de temporal, contando as ondas... para marcar o momento seguro de entrada do barco.

Clique para se deslumbrar! ►

Naquele triângulo de ilhas, o barco era tudo: Viu nascer as crianças (mais impacientes!) que não aguardaram até ao hospital da ilha em frente... foi viatura de funeral ou ambulância.
Muitas histórias de amor se teceram à distância, vertidas nas cartas confiadas a João Quaresma para que as encaminhasse para os amores ausentes.
Ou os açafates da comida e as encomendas que os pais mandavam para os miúdos da Ilha Montanha que tinham ido estudar para a Horta. Do lado de lá. o Gilberto das Lanchas, com a sua carrocinha, havia de tratar das entregas em mão.

Não havia lancha que arriscasse demandar o porto da Madalena sem ordem de João Quaresma. Todos os dias em cima do cai…

Estamos quites! Só contamos com vocês!

Se eles não sabem quem somos... porque haveríamos de os conhecer?

Os senhores do Instituto de Promoção Turística nunca repararam na existência do Descobrir PORTUGAL (mais de um milhão de membros) ou do Café PORTUGAL. Claro que nem suspeitam o trabalho de divulgação e de promoção do país TODO que, de forma tão partilhada e participada, acontece nestas Páginas e nos Grupos a elas associados.

É bem feito! Estão certos! Nós também não sabemos se eles existem...!

https://www.facebook.com/absolutoportugalPreferimos o calor, o carinho e o apoio dos muitos milhares com que nos cruzamos todos os dias nestes encontros e conversas nas redes sociais.


https://www.facebook.com/cafportugal Obrigado!

Queremos continuar a contar convosco!
Precisamos de todos para ir mais longe, de forma ainda mais activa e actuante.

Há muito país para Cantar, Passear e Saborear!
Nós gostamos. E já percebemos que vocês... também!

Muita gente está a ler também:

Ana Moura - "Dia de Folga"

Que alma terá inventado essa coisa da "carne de porco à alentejana"?

Do Minho para a sua mesa... Caldo Verde!